Organizar por:
Ver:

Escrito por Alexandre Esposito

Facebook em 1995


.

Se lembram de quando as novidades de informática eram lançadas com longos comerciais explicativos, meio que pra ensinar todo mundo a usar?

Bem, talvez vocês não lembrem, afinal isso acontecia em meados dos anos 90. Mas um pessoal resolveu fazer um exercício de imaginação e mostrar como seria o comercial do Facebook se tivesse sido lançado na época.

http://vidaordinaria.com/wp-content/uploads/2015/01/imitation2-960x579_c.jpg

[Resenha] O Jogo da Imitação


.

Esse é o ano das cinebiografias no Oscar. Martin Luther King, Stephen Hawking… e Alan Turing, uma figura tão importante quanto essas outras, mas que talvez você não reconheça de nome tão facilmente quanto os outros dois (a menos que seja um aficionado por história da computação).

Felizmente O Jogo da Imitação é eficiente em corrigir esse nosso desconhecimento histórico, contando como Turing resolveu o “indecifrável” código nazista e criou uma máquina sem a qual eu não estaria escrevendo esse texto e nem você lendo: o computador.

http://vidaordinaria.com/wp-content/uploads/2015/01/exemplar3-960x540_c.jpg

[Resenha] Garota Exemplar


.

Continuando nossa maratona de resenhas sobre os filmes do Oscar, é hora de falar daquele que é talvez a maior ausência entre os principais indicados: Garota Exemplar.

O thriller, com toda a tensão que David Fincher sabe criar, recebeu uma justíssima indicação de Melhor Atriz para Rosamund Pike, mas poderia facilmente figurar em Melhor Filme, Melhor Direção e Roteiro Adaptado.

http://vidaordinaria.com/wp-content/uploads/2015/01/selma1-960x639_c.jpg

[Resenha] Selma – Uma Luta Pela Igualdade


.

Ano passado, 12 Anos de Escravidão ganhou o Oscar por mostrar com excelência os horrores e o absurdo da escravidão. Mais do que um bom filme, era um filme importante.

Selma segue por um caminho igualmente importante e dá um tapa na nossa cara recontando a – ainda recente – vergonha da falsa liberdade que os negros viviam nos EUA, quando ainda eram privados de diversos direitos básicos, como o voto.

E como seu predecessor do ano passado, não traz apenas uma ótima causa: é um ótimo filme.

Menu