24/09 2010
Links de Sexta (24/9)

Publicitário, blogueiro, produtor de festa e, pro azar de vocês, piadista.

17/09 2010
Links de Sexta (17/9)

Publicitário, blogueiro, produtor de festa e, pro azar de vocês, piadista.

16/09 2010
E se a Internet fosse um país?

Volta e meia vejo por aí posts com títulos meio parecidos com esse.

Geralmente, mostram algum vídeo ou infográfico cheio de estatísticas curiosas (e bem bacanas) comparando esses sites com dados demográficos de nações de verdade (se o Facebook fosse um país ele teria a 3ª maior população do mundo, etc). Tem ainda os mapas da Internet. Mas aqui a brincadeira é outra.

Todo país tem uma certa estrutura política e uma base cultural. E é isso que a gente vai tentar identificar ou arriscar nesse post. Afinal, e se a internet fosse um país?

Quem seria o presidente?

Olha, a verdade é que dificilmente algum presidente conseguiria ficar muito tempo no poder na Internet. Toda hora iria aparecer alguém querendo dar um golpe de estado.

Provavelmente os mais poderosos nessa disputa seriam Larry Page e Sergey Brin, os cabeças do Google, mas não duvide que Mark Zuckerberg aparecesse dando voadora no peito deles e dizendo que o Facebook é que manda em tudo agora. As primeiras cenas de The Social Network já mostraram que ele tem um jeitinho presepeiro:

Em meio a tudo isso, Orkut Büyükkokten seria como um líder populista típico de 3º mundo, atraindo seguidores de camadas mais carentes e menos instruídas, com forte propensão a tirarem fotos constrangedoras no churrasco na laje.

Qual seria o hino nacional?

Never Gonna Give You Up, claro.

Não está ligando o nome à música? Então que tal um rick rolling?

Claro, a recente Bed Intruder Song mostra todo o potencial musical das banalidades de Internet, mas nenhuma foi tão marcante quanto o sucesso de Rick Astley usado para pegadinhas.

O animal símbolo?

Gatos. Seja com teclados, surgindo no teto ou fãs de cheeseburguer, os felinos mandam na internet, e provavelmente seriam tão protegidos quanto vacas na Índia.

Quem formaria o exército?

Os trolls. Sempre prontos para atacar qualquer um que esteja ameaçando a paz no reino. Ou melhor, qualquer um. Ponto. Respirou e já é motivo para atacar.

Uma verdadeira tropa de elite, que seria a primeira a aparecer em qualquer situação, gritando “FIRST!” e sendo seguida por um batalhão que desejaria “p** no c* do first”.

Qual seria o idioma?

Não importa, mas pode ter certeza que ele vai ser assassinado, seja por abreviações como por pura ignorância.

No caso de gatos fãs de cheeseburger, no entanto, os erros são perdoáveis. Afinal, são gatos, eles não foram à escola como o restante dos ignorantes.

Quem moraria lá?

Todo mundo. E se isso pode em princípio parecer legal, pense outra vez.

No país da Internet, aquela sua colega de escola gorda que te dava mole e você humilhou, e que depois você descobriu pela web que ficou gostosa, não estará mais apenas naquele álbum do Orkut, mas circulando pelas mesmas ruas que você.

Mas tem alguém pior, e que também moraria lá: sua mãe.

E no país da Internet, ao contrário do Facebook, você não conseguiria bloqueá-la nem apagar aquelas mensagens dela te chamando de fofuchinhozinhoinhoinho da mamãe coisinha mais linda do mundo.

TENSO.

Publicitário, blogueiro, produtor de festa e, pro azar de vocês, piadista.

15/09 2010
Online x Offline

Traduzido daqui.

Publicitário, blogueiro, produtor de festa e, pro azar de vocês, piadista.

13/09 2010
Pop a capella

O Youtube vive de gente desocupada, mas a gente não pode negar que elas são muito criativas. Por isso, eu juntei aqui nesse post as melhores versões a capella de músicas pop conhecidas. Se a música é boa ou ruim, não importa, porque essas versões são simplesmente geniais.

Justin Bieber Medley (One Time, Eenie Meenie, Baby)

You Rock My World

I’m on a Boat

Toxic

Teenage Dream e Just the Way You Are

Teenage Mutant Ninja Turttle

Gotta Catch ‘Em All (Pokemon)

Your Love is My Drug

E o mais genial de todos eles: Bed Intruder Song

Especialista em achar bizarrices na internet, rir da desgraça alheia e falar mal de tudo. Resumindo: o capeta em forma de guri.